Image

Presidente e diretor do SindSistema prestam solidariedade e apoio à turma do Galpão da Quinta

21/12/2017 01:03:32  

A Diretoria do SindSistema, representada pelo presidente Gutembergue de Oliveira e pelo diretor Secretário Odonclei Boechat , esteve no Presídio Evaristo de Moraes (conhecido como Galpão da Quinta) em São Cristóvão, nessa quarta-feira (20) para prestar solidariedade e apoio aos companheiros pela ocorrência em que três detentos se aproveitaram do momento do confere noturno e do baixo efetivo de inspetores penitenciários para empreenderem fuga. Graças à presteza e eficiência dos companheiros da turma de plantão daquela unidade prisional, de inspetores da muralha e outros que lá estiveram em apoio, logo os presos foram recapturados.

O Galpão da Quinta conta com 4 inspetores penitenciários para custodiar e vigiar 2800 presos no interior da Unidade Prisional, mais 1 na portaria e outro na Inspetoria, totalizando 6 inspetores. Os presos se utilizaram de uma tampa de bueiro para bater contra a parede de tijolos (podres) no corredor de acesso às celas e abrir um buraco de aproximadamente 60 cm de diâmetro. Embora tivessem conseguido transpor essa barreira os detentos não conseguiram ir longe, dois deles foram recapturados quase que imediatamente e o terceiro fugitivo foi localizado por um grupo de inspetores penitenciários que o alcançaram no Zoológico da Quinta da Boa Vista.

Dos problemas constatados pelo presidente Gutembergue e pelo diretor Odonclei no Galpão da Quinta, o que salta aos olhos e um dos mais graves no Sistema Penitenciário é o quantitativo ínfimo de inspetores penitenciários no efetivo das turmas de plantão, um verdadeiro convite à fuga, principalmente naquela Unidade Prisional que não possui características peculiares necessárias para a atividade de custódia de presos. No passado aquele galpão abrigou a antiga garagem da Companhia de Transportes Coletivos (CTC). Os companheiros que lá trabalham realizam suas atribuições em condições totalmente adversas, como a proximidade à comunidade da Mangueira. “Aquele espaço físico bem serviria para a instalação de um conjunto habitacional, por exemplo, menos para acautelar presos”, alerta o presidente do SindSistema-RJ.

“Esse é mais um sinal de que algo precisa ser feito para garantir condições mínimas de trabalho, não somente aos companheiros do Evaristo de Moraes, mas em todas as Unidades do Sistema Prisional, sob pena de termos cada vez mais inspetores penitenciários baixados por causa da sobrecarga de trabalho e consequente estresse, fato que ameaça a composição das turmas de plantão e pode tornar esse esvaziamento um problema quase que insolúvel”, adverte Gutembergue de Oliveira.

 

A diretoria do SindSistema deixa aqui registrado um agradecimento por todo o empenho e dedicação de cada companheiro na recaptura desses apenados e, por conseguinte, a proteção da sociedade com menos criminosos a perturbar a sua já tão combalida tranquilidade. “Parabéns a todos envolvidos nesse evento, pela solidariedade, presteza e companheirismo. E parabéns também a cada companheiro que trabalha nessa árdua e desgastante atividade cujo valor parece tal qual o olhar daquele que tendo uma pedra bruta de um metal valioso que por desconhecê-la utiliza-a para quebrar telhados ao invés de lapidá-la”, finalizou Gutembergue de Oliveira.