Image

LUTO

18/06/2017 11:34:22  

Por Marcelo Otávio de Souza 
ASP

Morremos jovens. Cansados. Doentes. 
Morremos anônimos sem ao menos ter o nossa importância devidamente reconhecida. 
Morremos só. Assassinados pelo crime organizado ou vítimas das doenças do nosso trabalho.
Morremos tristes, abandonados a própria sorte sem qualquer acompanhamento médico ou psicológico. 
Morremos aos poucos. A cada dia que passa definhamos física e psicologicamente. 
Morremos, jovens demais. 
Quantos sonhos deixaremos de realizar?
Quantas famílias deixaremos a chorar? 
Quantas lágrimas precisaremos enxugar? Quantos corpos ainda teremos que enterrar? 
Até não sermos mais vistos como números. 
Até sermos vistos como seres humanos. Até sermos tratados como seres humanos. 
Quantos de nós ainda perecerão até perceberem que estamos doentes, cansados, deprimidos. Vítimas de um sistema vil, que nos obriga a trabalhar excessivamente demais devido ao déficit funcional e a super população carcerária? Quantos de nós ainda perecerão, vítimas das doenças ocupacionais que muitas vezes são ignoradas, ou que não são tratadas, seja pela falta de auxílio do estado ou pela falta de capacidade financeira? 
Quantos de nós ainda serão ignorados por tudo e por todos e morrerão sozinhos dentro do seu próprio ambiente de trabalho? 
Quantas famílias ainda ficarão no portão à espera de alguém que nunca mais vai voltar? 
Quantos? Quantas? Quando? 
Quando deixaremos de aceitar a morte que nos assola de forma natural, como se fôssemos gado dentro do curral, à sua espera, sem ao menos lutar por um futuro? 
Quando? 
Quando?