Image

SEAP NA CONTRAMÃO DA PREVENÇÃO E DO BOM SENSO

22/03/2020 00:15:04  

Sindicato pondera que medidas adotadas  pela SEAP poderiam ser flexibilizadas, dado o caráter excepcional do momento.

 

A atual fase pela qual passa o Estado, e o país, com o surgimento do Coronavírus, exige bom senso e solidariedade entre todos. A atual diretoria do SindSistema sempre pautou suas ações na busca incessante pelo diálogo. Culturalmente, na SEAP, as chefias não se utilizam da discricionariedade que possuem, e sempre jogam para “o andar de cima” a responsabilidade das decisões.

Dispostos a contribuir na prevenção do contágio pelo coronavírus, buscamos a interlocução com a Subsecretaria Operacional da SEAP para algumas ponderações, mas recebemos como resposta a velha burocracia que emperra a urgência de determinadas ações: marcar uma agenda para reunião.  

“O secretário e o subsecretário de saúde, são as pessoas capacitadas para falarem das medidas de saúde adotadas pela SEAP. Nós da Segurança estamos fazendo parte do gabinete de crise e adotamos todas as orientações passadas pelo gabinete, agindo com responsabilidade e habilidade”, disse Márcio Rocha, assessor especial do subsecretário, em resposta pelo WhatsApp.

Em matéria publicada no dia 17 de março, em nosso site, sob o título “IRRESPONSABILIDADE CONSTATADA”, escrita após um diagnóstico in loco, nos dias 14, 15 e 16, portanto logo em seguida ao Decreto 46.970, do governador Wilson Witzel, que “suspendeu” a visitação às unidades prisionais a título de evitar aglomerações, o Sindicato alertou para o risco do contato indireto da massa de visitantes e a negligência do Governo.

Entendemos que a atitude da SEAP, de possibilitar o acesso das visitas às unidades prisionais, é totalmente equivocada, pois possibilita eventual contaminação. Visitas com bolsas, em contato com inspetores penitenciários, e, consequentemente, estes em contato com o universo carcerário, gera potencial possibilidade de contaminação. A providência tomada pela Secretaria deveria ser a restrição geral de acesso de qualquer pessoa, com exceção de servidores e prestadores de serviços essenciais ao funcionamento dos estabelecimentos prisionais.

Na quinta-feira (19), em entrevista ao programa Cidade Alerta, da Rede Record, o presidente do SindSistema, Gutembergue de Oliveira ressaltou os riscos potenciais que a Administração Penitenciária submete os seus servidores, ao optar por manter o acesso, ainda que indireto, de uma massa de visitantes para levar alimentos e material de limpeza para os detentos. “(...) Essa contaminação indireta, vai reproduzir efeitos contrários na própria sociedade. Porque, eventualmente, uma visitante que tiver contato com um servidor que tenha sido contaminado por outra visitante, ela vai voltar e fazer esse círculo. E a questão não era de restrição? De isolamento social? Então o quê essas pessoas estão fazendo nas unidades prisionais? Pra suprir uma carência do Estado? Por conta de uma péssima alimentação e por conta do Estado não ter condições de dar materiais de higiene? Isso tem que ser discutido e não estou vendo ninguém falar isso”.

 

Matéria publicada pelo G1 endossa o posicionamento do SindSistema

Ilustração feita pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, mostra a morfologia do novo coronavírus, conhecido cientificamente como 2019-nCoV — Foto: Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/Handout via Reuters

 

Um estudo científico publicado na terça-feira (17), na revista científica "New England Journal of Medicine", aponta que o plástico e o aço ampliam a sobrevida do Coronavírus. O estudo foi realizado por cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), da Universidade da Califórnia, de Los Angeles e de Princeton. O trabalho avalia a resistência do vírus em cinco materiais diferentes, e mostra que o plástico e o aço inox são os materiais onde o coronavírus resiste por mais tempo.

 

As colocações da diretoria do SindSistema sempre  serão pautadas com ponderação de valores, e, sobretudo, com bom senso, solidariedade e responsabilidade. Por isso o posicionamento contrário à medida de permitir que visitantes levem bolsas às Unidades Prisionais. Pois potencializa, e muito, o risco de contaminação de servidores e presos, por coronavírus.

 

MATÉRIAS RELACIONADAS

https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/03/19/quanto-tempo-o-coronavirus-sobrevive-nas-superficies-estudo-aponta-que-plastico-e-aco-ampliam-a-sobrevida.ghtml

 

https://www.sindsistema.com.br/noticias/1092